Recents in Beach

header ads

Magazine Luíza compra Armazém Paraíba no Pará




Magazine Luiza fechou contrato de cessão comercial de 48 pontos de venda hoje ocupados pelo Armazém Paraíba, para se estabelecer no Pará.
 A tradicional varejista de móveis e eletrodomésticos do Norte e Nordeste é conhecida por ter lojas em áreas mais remotas.

Dos 48 pontos de venda do Armazém Paraíba locados pelo Magazine Luiza, 39 estão no Pará e nove no Maranhão.

O diretor-presidente da Sociedade Comercial Irmãs Claudino S/A, Valdecy Claudino afirma, em nota, que o Armazém Paraíba está iniciando uma nova fase sempre com foco na inovação e modernidade.

A administração afirmou que possui mais de 350 lojas espalhadas pelo Norte e Nordeste e continuará atuando no varejo, “sendo certo que nos Estados do Pará e parte do Maranhão, com foco no ramo mole (confecções, tecidos, calçados, cama, mesa e banho)”. A rede não informou as cifras e prazos do contrato. “A empresa tem como política não divulgar valores de negociações.”

O comunicado afirma que as mudança são oportunidade para que os colaboradores que não permanecerem vinculados ao Armazém Paraíba se candidatem ao processo de seleção do Magazine Luiza, “tendo em vista a experiência que já adquiriram no varejo”. A nota afirma que a empresa vai disponibilizar cartas de referência.

No segundo semestre de 2019 o Magazine Luíza vai estrear no Pará com 51 lojas e abrirá outras 9 lojas no Maranhão, onde a rede começou a operar no ano passado.

O Magazine Luiza também informou que irá investir em um novo centro de distribuição na região, “com o objetivo de atender melhor os clientes online e offline, em linha com sua estratégia multicanal”.

A maioria das lojas no Pará será em cidades menores, fora da capital. Isso reforça a estratégia da companhia que, na avaliação de consultores, caminha na direção de ser a Amazon brasileira. Ao ampliar sua capilaridade, chegando a municípios mais distantes dos grandes centros, a varejista reforça o modelo de negócio que une as lojas físicas com o varejo online. 
Os pontos de venda viram uma espécie de minicentros de distribuição, o que garante a rapidez na entrega das compras online, o maior obstáculo ao avanço do e-commerce, sobretudo em regiões distantes do Sudeste.


Com informações O imparcial







Postar um comentário

0 Comentários