Recents in Beach

header ads

Polícia Federal apreende vídeos de monitoramento para apurar se houve tortura em presídios no PA

Destaque - Os mandados de busca e apreensão foram solicitados pelo MPF, como parte de investigações sobre relatos de maus tratos a presos por agentes federais da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), que estão no Pará.

Complexo Penintenciário de Santa Izabel — Foto: Reorodução/O Liberal

A
 Polícia Federal apreendeu, nesta sexta-feira (20), imagens de câmeras de videomonitoramento do Complexo Penitenciário de Santa Izabel do Pará, na região metropolitana de Belém.

Os mandados de busca e apreensão foram solicitados pelo Ministério Público Federal (MPF) e autorizados pela Justiça Federal, como parte de investigações sobre relatos de torturas e tratamento desumano a presos por agentes federais da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), que estão no Pará.
Houve denúncias de maus tratos no Centro de Reeducação Feminino (CRF), mas laudos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves apontaram que não houve tortura em 64 internas.
A atuação dos agentes começou em presídios paraenses depois do massacre no Centro de Recuperação de Altamira, quando 62 pessoas foram mortas. O "Massacre em Altamira" é considerado o segundo caso com mais mortes em presídios registrado na história do Brasil.
Vídeo mostra ação de agentes e detentos antes do massacre que deixou 58 mortos em presídio no PA
Mulher denuncia suposta tortura dentro do Centro de Recuperação Feminino em Ananindeua
Segundo o MPF, os vídeos foram apreendidos no Centro Integrado de Operações (Ciop), ligado à Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), e no Complexo Penitenciário de Santa Izabel.
As imagens são dos Centros de Recuperação Penitenciária do Pará II e III (CRPP II e III), da Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel, da Central de Triagem Metropolitana IV, e mostram celas, corredores internos de acesso a celas, pátio, quadra de esporte ou outras áreas externas, onde foram destinados presos entre 4 de agosto até esta sexta-feira (20).
O MPF informou que os vídeos serão analisados pela PF, para laudo da perícia criminal federal a fim de identificar suspeitas de que agentes públicos teriam agredido presos, disparado balas de borracha, utilizado spray de pimenta, introduzido cabo de enxada ou arma em ânus de presos, obrigado presos a se beijarem ou outras imagens que possam caracterizar crimes.

Por G1 PA — Belém













Postar um comentário

0 Comentários